terça-feira, 20 de setembro de 2011

Pelos pensamentos seus

Aquela que sempre se encontrou entre as palavras;
Hoje se perde entre elas.
A que sempre gostou de escrever;
Hoje se vê com medo do papel branco.
Do próximo alanco.
Do próximo franco.
Os Lápis orientados,
que mesmo parados,
ainda são deles os aliados.
Mas que seja feita a vossa vontade
De alguns a piedade
Da maldade a bondade
Dos bons a verdade
Pela necessidade da continuidade.
E pelas mãos a tradução sem vaidade.
Mensagem  revel,
ou do céu.
Pensamentos de outrem.
E os dela ao léu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário